jul 20

A UNIPONTAL firmou importante convênio de cooperação técnica e acadêmica com a Universidade Estadual Paulista – UNESP – visando a realização de estudos e pesquisas, consultorias, conferências, publicações, ministração de cursos e programas de capacitação. Essa deliberação possibilitou a realização de estágios e quaisquer outras atividades julgadas de interesse ou de conveniência pelos partícipantes. Entre as quais a principal se relaciona com o “PONTAL TRANSPARENTE”. Esse projeto trata dos estudos e definição de tecnologias de informação geográfica para a elaboração de um Geoportal. É para atender às necessidades dos municípios associados à União dos Municípios do Pontal do Paranapanema – UNIPONTAL.

Esta ferramenta de Gestão Territorial vai beneficiar todos os municípios associados à UNIPONTAL e deverá ser desenvolvida em parceria entre a UNIPONTAL e o Grupo de Pesquisas em Aquisição e Representação de Dados Espaciais – GARDE – da Faculdade de Ciências e Tecnologia, da UNESP – Câmpus de Presidente Prudente – SP. O desenvolvimento desse projeto teve início recentemente, quando a UNIPONTAL elaborou o Plano de Desenvolvimento Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema – PDEPP, cujo principal objetivo foi promover crescimento econômico. Com redução das desigualdades nos 32 municípios do extremo oeste paulista, conhecida como Pontal do Paranapanema, proporcionando a melhoria da qualidade de vida para os seus 500 mil habitantes.

Essa iniciativa da União dos Municípios do Pontal do Paranapanema (UNIPONTAL) foi apoiada com recursos do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, visando o desenvolvimento socioeconômico sustentável da região, que tem como vocações o agronegócio, a pecuária e o turismo.

Cadastro e gestão territorial

Inegavelmente, trata-se de uma visão luso-brasileira para a implantação de sistemas de informação cadastral nos municipios, cujos autores são os seguintes:
Amilton Amorim; Marcos Aurélio Pelegrina e Rui Pedro Julião. Nessa obra é abordada a Gestão Territorial com o objetivo de compreender sua relevância e seus principais desafios. Assim como as reais necessidades de obtenção de dados e recursos para seu êxito. Apresenta-se o paradigma do Cadastro Territorial Multifinalitário, seus conceitos fundamentais e o modo como ele é abordado em várias regiões e em vários países. Além disso, trata-se da Infraestrutura de Dados Espaciais (IDE), considerada essencial para o desenvolvimento de projetos relativos à produção, gestão e exploração de dados geográficos e cadastrais, em contextos compartilhados por vários serviços do Estado.

Finalmente é apresentada uma análise dos requisitos e modelos para a Gestão Territorial (baseada no Cadastro Territorial Multifinalitário) e com a utilização da IDE, com particular destaque para o Land Administration Domain Model (LADM). Por fim, é apresentada uma análise da situação do desenvolvimento dos sistemas cadastrais e sua aplicação na Gestão Territorial no Brasil e em Portugal.

-> Link para aquisição e-book ou impresso: http://editoraunesp.com.br/catalogo/9788595462823,cadastro-e-gestao-territorial

Clique para ampliar!
Segundo o Prof.Dr.Amilton Amorim, da FCT/Unesp, esse convênio deverá beneficiar 32 municipios associados a UNIPONTAL.

escrito por Assessoria de Comunicação e Imprensa - FCT UNESP

jul 20

Durante reunião do Grupo de Trabalho de Áreas de Preservação Permanente e Mananciais (GT-APP/Mananciais) do Comitê da Bacia Hidrográfica do Pontal do Paranapanema, no dia 12 de julho de 2018, a aluna Isadora Cogo Badan e Lucas Momesso Fernandes, do curso de graduação em Engenharia Ambiental da FCT/UNESP, entregaram os “Estudos de Restauração Ecológica e Adequação de Estradas Rurais na área da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios – APTA – Polo Regional Alta Sorocabana de Presidente Prudente.

Os estudos foram desenvolvidos nas disciplinas Gerenciamento de Recursos Hídricos e Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas, ministradas pelos professores Antonio Cezar Leal e Renata Ribeiro de Araújo, com os objetivos de formar e capacitar os alunos de Engenharia Ambiental em estudos aplicados à restauração ecológica e à recuperação de estradas rurais, em ações articuladas de ensino, pesquisa e extensão universitária com o CBH Pontal do Paranapanema para a proteção do manancial do alto curso do rio Santo Anastácio, que abastece parte da população de Presidente Prudente, polo regional do oeste paulista.

Para a realização desses estudos foram realizadas aulas teóricas e práticas no campus da Unesp; encontros com profissionais atuantes em órgãos públicos (DAEE, CODASP, CETESB, MPESP, CBRN, dentre outros) e de consultoria ambiental; trabalhos de campo na APTA, para diagnóstico da situação ambiental; visitas técnicas em obras de adequação de estradas rurais da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (CODASP), nos programas e ações ambientais desenvolvidas pela Itaipu Binacional em Foz do Iguaçu e região e nos projetos de restauração ecológica e sistemas agroflorestais (SAF) do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ).

Para a elaboração dos estudos técnicos os graduandos tiveram capacitação em ArcGIS, ministrada por doutorandos em Ciências Cartográficas e Geografia e graduando em Engenharia Ambiental, em aplicação de normas de monitoramento de projetos de restauração ecológica, ministrada por profissional da Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Estado São Paulo (CBRN/SMA), e em Licenciamento Ambiental, ministrada por diretores da consultoria ambiental Renovatio Soluções Sustentáveis.

A partir da união dos conhecimentos gerados com o apoio desse conjunto de aulas e atividades extraclasse, com as parcerias institucionais e ação colaborativa de outros alunos e professores, foi possível elaborar os estudos sobre a restauração ecológica, incluindo propostas para monitoramento da quantidade e qualidade da água e da cobertura vegetal e de realização de SAF para pequenas propriedades rurais, e adequação de estradas para a área da APTA, com detalhes técnicos, mapas, gráficos, tabelas e orçamentos.

Os estudos foram apresentados ao GT-APP/Mananciais em 28 de junho de 2018, para análise e recebimento de contribuições. Após a revisão foram unificados e entregues ao CBH Pontal do Paranapanema e APTA-Regional para que possam subsidiar tomada de decisões e articulação com órgãos ambientais estaduais e municipais para sua execução.

Os alunos envolvidos ressaltaram que os estudos e vivências foram importantes para sua formação profissional e ampliação de conhecimentos, concretizando o aprendizado de sala de aula em contato com o mercado de trabalho, especialmente pela interação com diversos órgãos públicos, da iniciativa privada e da sociedade civil.

Os professores e alunos envolvidos agradecem o apoio da Direção e dos Departamentos de Planejamento, Urbanismo e Ambiente, de Geografia e de Cartografia da FCT/UNESP, do CBH Pontal do Paranapanema, DAEE, APTA, CODASP, CBRN/SMA, CETESB, IPÊ, Itaipu Binacional, MPESP, Renovatio Soluções Sustentáveis e outras instituições e profissionais que contribuíram para a realização desses estudos.

Clique para ampliar! Clique para ampliar!

Clique para ampliar! Clique para ampliar!

escrito por Assessoria de Comunicação e Imprensa - FCT UNESP

jul 05

A Seção de Pós-Graduação da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Unesp – Câmpus de Presidente Prudente – programou para a 2ª quinzena de Junho/2018, seis dissertações de Mestrado. No dia 21, a candidata Kyle Robinson Lynch se apresentou perante a Comissão Examinadora, tendo como Orientador o Prof.Dr.Rômulo Araújo Fernandes, do Deptº de Educação Física da FCT/Unesp. Ciência da motricidade teve como tema: “Impact organized sports on risk of bone fractury among adolescents: ABCD – Growt Study”.

No dia seguinte no Anfiteatro II, a candidata Eliane D’Arce Ropelli, do Programa de Pós-Graduação em Geografia fez sua defesa pública no Anfiteatro II sob orientação da Profª.Drª. Renata Ribeiro de Araujo, do Deptª de Planejamento, da FCT/Unesp. Tema desenvolvido: “Percepção ambiental de Atores do Comitê da Bacia Hidrográfica do Pontal do Paranapanema/SP – Brasil”.

Também no dia 22/Junho a Mestranda Nádia Horye Ferreira, do Programa de Pós-Graduação/Geografia, fez sua defesa pública perante à mesa, presidida pelo seu Orientador, Prof.Dr.Édson Luís Pirolli. O tema escolhido foi “Identificação dos impactos ambientais causados pelo cultivo da cana-de-açúcar e propostas de PCE e PCX com o auxílio das Geotecnologias”.

No dia 26 de Junho, no Anfiteatro VII nova defesa de dissertação de Mestrado/Geografia, por Júlio Cesar Villagra, tendo como seu Orientador, o Prof.Dr.Raul Borges Guimarães, da FCT/Unesp – Deptº de Geografia. O tema escolhido pelo Mestrando foi: “A importância do saneamento básico na gestão de recursos hídricos: Análise de técnicas de concepção, implantação, operação e recuperação nas estações de tratamento de esgotos da SABESP em Adamantina, na UGHRI Aguapeí/Peixe, do Estado de SP”.

No dia 28 de Junho para encerrar a quinzena, apresentou-se perante à Comissão Examinadora no Anfiteatro III, a candidata Larissa Rodrigues Souto, do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia, se apresentou publicamente. E a sua dissertação de Mestrado recebeu Orientação do Prof.Dr.Carlos Marcelo Pastre, do Deptº de Fisioterapia da FCT/Unesp. Tema: “Confiabilidade e análise fisiológica de um teste de resistência muscular isométrica, localizada à fadiga do Dinamômetro Isocinético”.

A 6ª e última dissertação de Mestrado do mês de Junho/2018, verificou-se no dia 28, no Anfiteatro VII, onde a candidata Aline Aparecida dos Santos apresentou-se perante os membros da Comissão Examinadora. Seu Orientador foi o Prof.Dr.Paulo César Rocha, do Deptº de Geografia da FCT/Unesp. Tema: “Estimativa de escoamento superficial no Pontal do Paranapanema-SP e sua relação com a cobertura e uso da terra”.

Clique para ampliar! Clique para ampliar!
Larissa Rodrigues dos Santos, sob orientação do Prof.Dr.Carlos Marcelo Pastre fez sua defesa de dissertação de Mestrado/Fisioterapia, encerrando o mês de Junho na FCT/Unesp.

escrito por Assessoria de Comunicação e Imprensa - FCT UNESP

jul 03

Nem todos conhecem, mas há alguns anos vem funcionando junto à Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP, Campus de Presidente Prudente, o Centro de Estudos e Atendimentos em Fisioterapia e Reabilitação – CEAFIR.

O Atendimento à comunidade local e regional é um tratamento Ambulatorial – onde Equipes Especializadas – prestam assistência gratuita a todas as pessoas que o procuram.

Em 2017, de acordo com dados estatísticos levantados de Abril a Dezembro, o número de atendimentos alcançou a soma de 5.524 pacientes em 19.586 sessões. Somente no período de Janeiro a Março deste ano, número de pacientes foi de 1.326, alcançando uma soma de 4.279 sessões.

Os tratamentos de fisioterapia ocorrem nas respectivas especialidades nos períodos da manhã e da tarde, de 2ª a 6ª feira.
Dentre as áreas de atuação dos fisioterapeutas e alunos de graduação e pós-graduação pode-se observar: Ortopedia e Traumatologia, Neurologia, Pneumologia, Cardiologia, Ginecologia e Obstetrícia e Urologia, Desportiva, Geriatria e Gerontologia.

O CEAFIR conta com atendimentos para seus pacientes, com Serviços de Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia e Assistência Social.

Os atendimentos ocorrem quando os médicos do SUS fazem os encaminhamentos, solicitando Fisioterapia em qualquer das especialidades. Há necessidade de agendamento de uma triagem para avaliação e averiguação da vaga para o atendimento.
Ocorrem também no CEAFIR, pesquisas científicas vinculadas ao Programa de Pós Graduação em Fisioterapia (especialização, mestrado e doutorado), além do Programa de Residência que também a assiste através dos programas extramuro da UNESP. Em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, nas Unidades Básicas de Saúde, Estratégia de Saúde da Família e Centro de Fisioterapia.

Clique para ampliar! Clique para ampliar!
Pacientes que buscam Atendimento no Centro de Estudos e Atendimentos em Fisioterapia e Reabilitação/CEAFIR da FCT/Unesp, são inúmeros. Levantamento anual de 2017 e 1º trimestre de 2018 foi bastante elevado.

Clique para ampliar! Clique para ampliar!
Pacientes atendidos em 2017chegaram a 5.524 em19.586 sessões. Segundo o Coordenador, Prof.Dr.Augusto Cisenando de Carvalho – de Janeiro a Março deste ano de 2018 – foram atendidas 1.326 pessoas em 4.279 sessões.

Clique para ampliar! Clique para ampliar!
Para o Atendimento Público (totalmente grátis),são mobilizadas centenas de pessoas ligadas diretamente à FCT/Unesp. São docentes, pesquisadores, estudantes (estagiários), e um elevado número de servidores.

escrito por Assessoria de Comunicação e Imprensa - FCT UNESP

jul 02

Sob orientação do Prof.Dr.Antonio Thomaz Junior, do Departamento de Geografia da FCT/Unesp, a candidata Maria Joseli Barreto (do Programa de Pós-Graduação em Geografia), defendeu tese de Doutorado. Tema que foi desenvolvido: “Novas e velhas formas de degradação do trabalho no Agrohidronegócio canavieiro nas regiões administrativas de Presidente Prudente e Ribeirão Preto”.
A defesa pública verificou-se no dia 28 de Junho a partir das 14hs na Sala de Projeção da Biblioteca da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Unesp – Câmpus de Presidente Prudente.

Presentes – integrando a Comissão Examinadora – além do Orientador já citado, os seguintes docentes: Profª.Drª.Edvânia Ângela de Souza Lourenço, do Deptº de Serviço Social da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Unesp/Franca-SP; Profª.Drª. Rosemeire Aparecida Scopinho, do Deptº de Psicologia da Universidade Federal de São Carlos/UFSC; Dr. Guilherme Marini Perpétua, Pós-Doutorando da FCT/Unesp e Prof.Dr.Carlos Alberto Feliciano, da FCT/Unesp – Câmpus de Presidente Prudente.

A tese defendida

A pesquisa desenvolvida pela Doutoranda teve como objetivo analisar as implicações da reestruturação produtiva do capital no âmbito da reprodução do agronegócio canavieiro nas regiões administrativas de Presidente Prudente e Ribeirão Preto. Nesse contexto ficou determinada uma averiguação para se saber a dinâmica territorial nos (re)arranjos regionais e nos modos de organização e controle dos processos de produção e trabalho.

Os resultados alcançados permitem destacar que as transformações em curso na produção canavieira – demarcadas pela mecanização da colheita e plantio de cana de açúcar – são reflexos das ações e das estratégias do capital. Em busca de seu constante processo de reprodução e acumulação.

Também foi evidenciado que a tecnificação de produção e trabalho, somadas às formas de organização e controle e controle intrínseco ao taylorissimo, fordismo, toyotismo e acumulação flexível viabiliza aos detentores dos meios de produção, mecanismos que conservam a captura da subjetividade e superexploração do trabalho como principais baluartes da reprodução do agrohidronegócio canavieiro.

Na verdade – diz a Doutoranda Maria Joseli Barreto – mudaram-se os modos e os artifícios utilizados nesse processo de exploração. “Além disso foi observado que as máquinas e as inovações tecnológicas inviabilizaram as condições vivenciadas pelos trabalhadores, que atualmente vendem sua força de trabalho nos domínios da agrohidronegócio canavieiro. Ao mesmo tempo, ocultam a realidade vivenciada por grande parte dos trabalhadores, excluídos dos canaviais”.

Clique para ampliar! Clique para ampliar!
Para a defesa de sua tese de Doutorado/Geografia, a candidata Maria Joseli Barreto apresentou-se perante a Comissão Examinadora reunida na Sala de Projeção da Biblioteca da FCT/Unesp.

Clique para ampliar! Clique para ampliar!
A Doutoranda teve como seu Orientador, o Prof.Dr.Antonio Thomaz Junior, do Departamento de Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Unesp – Campus de Presidente Prudente.

escrito por Assessoria de Comunicação e Imprensa - FCT UNESP